Quero ver você não chorar nem olhar pra trás









banco nacional Quero ver você não chorar nem olhar pra trásCertos jingles possuem a capacidade de ficarem na memória afetiva da gente, perdurando mais que a própria empresa que os encomendou. Um bom exemplo do que digo é “Quero Ver Você Não Chorar”, criado para uma campanha de Natal do finado Banco Nacional.

Lula Vieira, diretor do comercial original, de 1971, chamou o amigo Edson Borges de Abrantes, vulgo Passarinho, grande parceiro de Dolores Duran, para compor a trilha sonora da propaganda. Edson adaptou uma composição originalmente feita para seu grupo, “Os Titulares do Ritmo”. A letra sofreu algumas adaptações, que fizeram com que o jingle fosse popularmente conhecido como o “Melô do Sexo Anal”. Tsc, tsc, que maldade desse pessoal que leva tudo por trás… Sigam a bolinha pulando e confiram a ingenuidade (ou não) desta letra.

Quero ver você não chorar, não olhar pra trás nem se arrepender do que faz
Quero ver o amor vencer, mas se a dor nascer você resistir e sorrir
Se você pode ser assim, tão enorme assim eu vou crer
Que o Natal existe, que ninguém é triste, que no mundo há sempre amor
Bom Natal, um Feliz Natal, muito amor e paz pra você
Pra você…

Não encontrei no YouTube a versão original dessa campanha, que contava inclusive com a presença de Zacarias (ele mesmo, o cara dos Trapalhões) como o regente do coral de crianças. O vídeo acima foi realizado em meados dos anos 80, e é a versão mais popular desse comercial. Porém, desgraçadamente este jingle ganhou nova versão nas vozes de Zezé di Camargo & Luciano, que embala os infames comerciais natalinos das Lojas Marabrás. Coisas da cultura de reciclation society que impera atualmente na publicidade. Como diria Kléber Bambam, “faz parte”. Mas enfim, o importante é o que importa: um Feliz Natal a todos os leitores do Pop Cabeça! icon smile Quero ver você não chorar nem olhar pra trás

P.S.: Obrigado pela correção, Andrea!

Artigos relacionados:



Receba mais sobre "Quero ver você não chorar nem olhar pra trás" e outros assuntos no seu e-mail (é grátis).

Deixe seu comentário

Your email not be shared. All fields with * are required.

*
*